CIRURGIA MICROGRÁFICA

PERGUNTAS FREQUENTES

01|

CIRURGIA MICROGRÁFICA E CIRURGIA MICROGRÁFICA DE MOHS SÃO A MESMA COISA?

A cirurgia micrográfica de Mohs é uma modalidade de cirurgia micrográfica, e é a técnica mais conhecida e mais realizada pelos cirurgiões micrográficos. Existem outras técnicas de cirurgia micrográfica, igualmente eficazes, que podem ser utilizadas pelo cirurgião dependendo do caso. A técnica de "Mohs" refere-se ao Dr. Frederic Mohs, que desenvolveu esta técnica cirúrgica na década de 1930, e é chamada de "cirurgia micrográfica de Mohs" em homenagem ao seu criador.

03|

QUAL A VANTAGEM DE SE FAZER A CIRURGIA MICROGRÁFICA?

A cirurgia micrográfica pode ser considerada a técnica mais refinada, precisa e efetiva para o tratamento dos tipos mais frequentes de câncer da pele. Por meio dela é possível identificar e remover todo o tumor, preservando a pele sã em torno da lesão.

 

O procedimento consiste na retirada do câncer da pele, camada por camada, e do exame de cada uma delas ao microscópio, até que se obtenha margem livre, ou seja, até a remoção completa do tumor (o nível de precisão e acerto pode chegar a 99%). Esta precisão é possível já que praticamente 100% das margens são checadas pelo microscópio, durante a cirurgia. 

05|

QUAIS AS PRINCIPAIS INDICAÇÕES DA CIRURGIA MICROGRÁFICA?

A cirurgia de Mohs é indicada para:

- Carcinomas basocelulares de risco aumentado para recidiva;
- Carcinomas espinocelulares (ou de células escamosas);
- Dermatofibrossarcoma protuberans;
- E alguns tumores mais raros de pele.

Ela pode ser indicada, também, para os carcinomas basocelulares considerados de baixo risco de recidiva, quando o objetivo for preservar a pele sã. Seja para reduzir o tamanho da cicatriz, como para áreas em que não existe pele em excesso para realizar a reconstrução, como ocorre, por exemplo, nas regiões auriculares (orelhas), nas pálpebras e na glande

07|

QUANTO TEMPO DURA A CIRURGIA MICROGRÁFICA?

A cirurgia dura em média 3-4 horas. Pode demorar mais ou menos dependendo do número de fases necessárias para remover completamente o tumor. Em alguns casos a cirurgia precisa ser interrompida e finalizada no outro dia, mas não é um fato comum. A demora está mais relacionada com o método de processamento e análise do material removido, e durante essas fases o paciente estará com um curativo e muitas vezes poderá assistir televisão ou fazer outras coisas enquanto aguarda (comer um lanche, ler um livro, utilizar celular ou tablet, etc).

02|

CIRURGIA MICROGRÁFICA É A MESMA COISA QUE CIRURGIA COM CONGELAÇÃO?

Não. As duas utilizam o método de congelação para fazer a análise dos tumores, mas na cirurgia micrográfica examina-se praticamente todas as margens do tecido removido, enquanto que na cirurgia convencional com congelação é feita uma análise por amostragem (apenas uma pequena amostra das margens é examinada, havendo maior risco de falhas na avaliação da retirada ou não do tumor).

04|

QUALQUER CIRURGIÃO FAZ ESSA CIRURGIA?

Para a realização da cirurgia micrográfica é necessário que o médico tenha conhecimento dos tumores, de histologia, de cirurgia, assim como de técnicas de reconstrução, e deve passar por um intenso treinamento para se aperfeiçoar na técnica. A cirurgia micrográfica nasceu e se desenvolveu dentro da dermatologia, motivo de orgulho para esta especialidade. O cirurgião dermatológico certificado é capacitado para a realização desse tipo de cirurgia. 

Clique aqui e veja a lista de cirurgiões certificados pela Sociedade Brasileira de Dermatologia em cada Estado do Brasil.

(link: http://www.sbd.org.br/mm/cms/2018/12/14/cirurgioes-de-mohsuf.pdf)

06|

A CIRURGIA MICROGRÁFICA É A MELHOR OPÇÃO PARA TODOS OS TIPOS DE CÂNCER DE PELE?

A cirurgia micrográfica é a melhor opção principalmente para o carcinoma basocelular e espinocelular (que são os cânceres de pele mais comuns). 

O tratamento do melanoma com essa técnica ainda é controverso, mas a utilização de marcadores imuno-histoquímicos está aumentando a utilidade da técnica em alguns tipos de melanoma menos agressivos. 

08|

É NECESSÁRIO RISCO CIRÚRGICO? TENHO QUE FAZER INTERNAÇÃO? O PROCEDIMENTO É FEITO EM HOSPITAL?

O risco cirúrgico é solicitado dependendo do caso. Geralmente o procedimento é feito em regime ambulatorial, em clínicas especializadas, sem necessidade de internação. Alguns casos podem ser feitos em Hospital, se necessário.